Page images
PDF

foy tanta que os officiaes escolhiao á sua vontade. E das naos fez EIRey Capitães Sancho de Toar, fidalgo castelhano, Simão de Miranda d'Azeuedo, Bras Matoso, Vasco d'Ataide, Nuno Leitão da Cunha, Symão de Pina, Nicolao Coelho, Pedro de Figueiró, Bertholameu Diaz, Diogo Dias seo irmão, Luiz Pires, Gaspar de Lemos, Andre Gonçalues, Mestre que viera com Dom Vasco que lhe quis elle dar esta honra: estes tres Capitães dos navios pequenos, Symão de Miranda d'Azeuedo era Capitão da nao Capitania, e * hia * pera Capitão mór na socessão de Pedraluares Cabral se elle falecesse.

Nesta armada hia abondança de coral de perna e laurado enfiado, cobre, vermelhão, azougue, alambres., panos de lã grossos e finos, e veludos, cetyns, damascos de todas cores: muytas pipas d'armas brancas, espadas, lanças; muytas carnes, e pescados seccos, e salgados, legumes de grãos, *e* fauas, manteiga, mel, açuquere; e em cada nao botica ordenada pera os doentes, e todo em abastança com boa ordem. E por feitor d'armada e da carga Ayres Corrêa, homem fidalgo, dous escriuães, Gonçalo Gil Barbosa, e Diogo d'Azeuedo com grande regimento de como hauião de vender e comprar, e pesar e medir todalas mercadorias, como tudo Dom Vasco soubera, e examinara em Calecut, que tudo passara em lembrança por escrito. E na nao Capitania frey Anrique Soares, frade de Sam Francisco, com outros cinquo frades com retauolo da Piedade, e todos ornamentos e cousas necessarias pera o officio diuino, com orgãos, tudo em muyta perfeição com rica prata. E EIRey mandou cartas e presentes ao Rey de Cananor, affirmandolhe sua boa amizade, e muyto lhe encommendando que ajudasse em suas cousas; e assi ao Rey de Melinde, com grandes comprimentos de agradecimentos polo bom auiamento que dera a suas naos, e encommendando ao Capitão mór que lhe fizesse muytas honras; e porque Calecut era cabeça de todo o que lhe compria da índia, trabalhasse todo o possiuel por assentar com o Rey boa paz e trato com feitoria assentada, com toda seguridade que podesse, e se fosse possiuel ahi l * deixasse * feitoria assentada que tiuesse compradas fazendas, pera as naos que fossem o outro ano acharem bom auiamento pera carregar; e disto muy largos apontamentos e auisos de todo o que compria.

E sendo a armada de todo apercebida, e pagamentos feitos ás gentes,

1 Em ambos os codices se * deixar *

Dom Vasco da Gama fez conselho com os mestres e pilotos da nauegação que farião pera encurtar caminho, que era cortar polo mar largo, tomando largos-os ventos domar, que corrião pera terra, com muyto resguardo por dobrar o Cabo de Boa Esperança, e de dentro delle fossem hauer vista de terra, que bem conhecião os pilotos Mouros de Melinde, a que EIRey fez muitos fauores, e vestidos de vestidos de seda, e cada hum colar d'ouro de cem cruzados, outros l * cento * em dinheiro e bons gasalhados, e seos mantimentos fechados, e agoa com sua chaue; e per elles escreueo Dom Vasco a EIRey de Melinde grandes amizades, e lhe mandou goadamecis ricos, e coxins de Frandes, e conscruas, c marmeladas. EIRey entregou ao Capitão mór Gaspar da Gama, o judeu, porque sabia falar muytas lingoas, a que EIRey deo aluará de liure e forro, e de sua comedia em terra dez cruzados cada mez, muyto lhe encommendando que o seruisse com Pedraluarez Cabral, porque se bom seruiço lhe fizesse, lhe faria muyta mercê; e porque sabia as cousas da índia sempre bem aconselhasse ao Capitão mór o que fizesse, porque este judeo tinha dado a EIRey muita enformação das cousas da índia e mormente de Goa.

E sendo toda armada prestes, o Capitão mór com todos os Capitães, e cada capitão, com sua gente, todos vestidos de librés, e galantes, se forão' a pé aos Paços de cima em que então EIRey pousaua, e beijarão a mão a EIRey e á Rainha, e se despedirão, e forão ao Caes da Ribeira embarcar nos bateis que hi estauão embandeirados que era cousa fermosa de ver, que passauam de mil homens d'armas, e com muytas trombetas se recolherão ás naos, que assi estauão fermosas de bandeiras, que fizerão salua com artelharia; e derão ás velas, todas assinadas de cruzes de Christo, e andarão barlauentando, e se forão sorgir em Belem, onde a outro dia os officiaes fizerão alardo da gente de cada nao, escreuendo cada homem per nome, appellido, e nome de pay e mãy, e terra, casado, ou solteiro. Onde EIRey era presente fazendo a todos muytas honras, e mórmente aos Capitães, lhe muyto encommendando o. bom trato da gente, e sobre tudo o repairo dos doentes, e que nas vigias elles fossem os sobreroldas, pois nisso lhe hião as vidas, e que se nom apartassem do Capitão mór, nem huns dos outros, e muitas vezes vissem seos regi

1 * Cem * Aj.

mentos, e os sinaes que hauião de fazer de dia e de noite, e cada dia pola manhã fossem falar ao Capitão mór, porque se algum falecesse, o Capitão mór hauia d'aguardar por todos, e por tanto huns aguardassem por outros, e isto sob as penas que dizião no regimento. E porque o tempo era bom pera partir, sendo ordenado que partissem em dia de Nossa Senhora vinte e cinquo dias de Março, EIRey ouvio missa em pontifical, que lhe disse o Bispo de Vizeu e fez breue pregação em louvor de Nossa Senhora, a que todos s'encommendassem, que os bem encaminhasse e guardasse dos perigos do mar; estando sempre o Capitão mór na cortina fazendolhe muytas honras. Acabada a missa o Bispo benzeo a bandeira real, que EIRey da sua mão lha entregou, com a qual diante, que leuaua seo alferez, e os frades com huma cruz diante, cantando orações, sahirão da Igreja, e EIRey com elles foy até a praya, onde era todo o pouo de Lisboa, cada hum a Yer os maridos, e filhos, e s'embarcarão nos bateis, l*e recolhidos ás naos,* que logo derão as velas, EIRey se metteo no seo batel, e os foy acompanhando até sahir da barra. O que foy em vinte e cinquo de Março dia de Nossa Senhora do 1500.

CAPITULO II.

BA NAUESAÇÃO QUE FEZ A ARMADA, E O QUE LHE ACAECEO ATE CHEGA» A HUMA TERRA NOUA QUE DESCOBRIO DO BRASIL.

Oendo fóra de Lisboa a frota nauegando com bom tempo forão demandar as Ilhas Terceiras por se mais metterem no mar, pera que os ventos lhe fossem mais largos pera nauegar pera o Cabo: o que todo fazião com a estimatiua que atinauâo, porque nula então nom sabião o tomar d'altura do sol, nem acertauão, sómente tinhão agulhas de nauegar pera conhecimento dos ventos, porque sabião onde lhe ficaua a terra, porque os ventos corrião pera ella; no qual caminho acharão a nao de Pedro de Figueiró muito zorreira, que com ella se perdia ametade do que as outras andauão, e com ventos que as outras animauão ella sem amainar inda

1 Falta no Ms. da Aj.

nom podia chegar, e sendo na linha de Guiné, tiuerão chuveiros com pés de ventos fortes, com que todos amainauão. * A nao de * Pero de Figueiró, que a andar teue a vela, hum pé de vento a sossobrou, que não foy vista com a grande çarração da chuiua que, sendo passada, nunqua a mais virão; e querendo o Capitão mór voltar em sua busca, lhe disse o piloto que não perdesse caminho, porque se a nao não houvera desastre áuante hauia d'ir, e a acharião, porque ella hauia de ter a vela por andar, e passaria que a nom vissem com a çarração da chuiua: e assi forão seu caminho, que logo veo bom vento, correndo quanto podião pera balrauento, com que correrão passante de hum mez.

A Capitania, que hia diante, amanhecendo hum domingo houve vista de terra a balrauento, ao que fez sinal com tiro de berço, e foy correndo pera ella, e a descobrindo, que era grande costa, terra noua, que nunqua fora vista, e sendo perto, correndo ao longo della, virão grandes aruoredos pola fralda do mar e por dentro grandes montes e serranias, e muytos rios largos, e grandes enseadas; e sendo já tarde virão huma grande baya, onde o Capitão mór entrou com o prumo sondando. Achando bom fundo sorgio, o que assi fez toda a frota. O Capitão mór deitou o esquife fóra, o que assi fizerão os Capitães, e forão ver o Capitão mór, o qual mandou Nicolao Coelho no seu esquife com o piloto mouro que fosse a terra, e visse se podia hauer fala da gente da terra. O qual foy com dez homens de lanças e bestas, porque ainda então nom hauia espingardas, e sayo na terra, e achou pouoações de casas palhoças, em que hauia gente branca bestial, nus, sem nenhum cobrimento de suas vergonhas, assi homens como molheres. Alguns homens vestião redes de tio d'algodâo, cobertos de penas d'aues de muytas cores, muy fermosas que hauia na terra, e mormente papagayos, tamanhos como patos; com penas de muytas cores; gente mansa que nom fogio, nem fazião mal, nem tinhão armas mais que huns arcos grandes como de Ingreses, com frechas de cana, e assi os ferros de cana, compridos e pegados com betume, que fazia peso. Nom tinhão nas casas nenhum fato, sómente redes de fio d'algodão atadas polos cabos, que pendurauão e nellas dormião. Nom houve lingoa que os entendesse. A mór parte do aruoredo era de hum páo vermelho, que deitado n'agoa fazia vermelho muyto bom, é se acharão nesta terra outras cousas, que nom escreuo porque depois se descobrio.

O Capitão mór foy em terra com os Capitães, onde esteue cinquo dias, e forão homens pola terra dentro, e nom acharão quem lhe fizesse mal. Hauia muytas pouoações e gente toda branca, e os rostros largos, e narizes largos e baixos como de Jáos. Onde o Capitão mór, per conselho de todos, d'aqui tornou a mandar ao Reyno o nauio de André Gonçalues, com a noua a EIRey desta noua terra que descobrira; e mandou homens, e molheres, e moços, e suas redes e vestidos, e dos papagayos grandes, e d'outros mais pequenos. O mantimento da terra era milho, e o nauio carregado dos paos vermelhos aparados, que erão muy pesados, a que chamauão brasil, per sua vermelhidão ser fina como brasa. E mandou André Gonçalues qUe fosse correndo a costa sempre em quanto podesse e trabalhasse por lhe ver o cabo, o que elle assi fez, c descobrio muyto della, que tinha muytos bons portos e rios, escreuendo tudo, e as sondas e sinaes; com que tornou a EIRey, e houve muyto prazer, e logo armou nauios em que tornou a mandar André Gonçalues a descobrir esta terra, porque mandou experimentar o pao, e acharão que fazia muy fina cor vermelha, com que logo fez contrato com mercadores que lhe comprarão o pao a peso, que forão carregar este brasil, de que houve grande trato e muyto proueito, por ser mercadoria pera muytas partes, e mórmente pera Frandres, de que EIRey houve grandes proueitos como ora parece. Deste brasil mandou o Capitão mór tomar algum que leuou á índia, e nom teue muyta valia, porque a tinta vermelha fazem do lacre, e por ter mór valia no Reyno nom carregou pera a índia.

CAPITULO III.

QUOMO A FROTA PARTIO DO BRAZIL PERA O CABO DE BOA ESPERANÇA, E LHE DEU VENTO SUPITO, QUE SOSSOBROU QUATRO NAOS.

í Artido o nauio pera o Reyno, o Capitão mór pôs nome de Saneta Cruz a esta noua terra, porque a ella chegarão a tres de Mayo, dia de Sancta Cruz. As naos recolherão os esquifes, e se fizerão á vela, e correrão ao longo da costa quanto poderão até perderem vista della, correndo pera dobrar o Cabo, leuando ventos forçosos, quanto as naos podião sofrer com todas as velas de dia, e de noite mesurauão as velas, ficando de trás da Capitania, mas leuauão grande andar, que antre dia e noite corrião oitenta, nouenta legoas, segundo o entendião os pilotos. E hindo na

[graphic]
« PreviousContinue »